Pular para o conteúdo principal

Brasil, um País Desigual ... e Sofrido

O Caderno especial de 01/01 do jornal O Estado de São Paulo trouxe um artigo de Pedro Fernando Nery, "Eleição do Sofrimento", que chamou minha atenção por ter me apresentado um indicador que procuro há anos, que "sintetizasse a falta de oportunidades na economia e a piora do poder de compra". 

O Índice de Sofrimento (Misery Index), criado pelo economista americano Arthur Okun, pretende determinar como o cidadão comum está se saindo em termos econômicos, e inicialmente era calculado pela soma simples da taxa de desemprego com a taxa anual da inflação. Ele supõe com toda razão que esses dois indicadores trazem enormes custos sociais para um país ou região. 

Em tempo: Misery Index foi traduzido para Índice de Sofrimento, com o que eu concordo. A palavra inglesa Misery pode ser traduzida como Miséria, Sofrimento, Desgraça, Infelicidade, e eu acho Miséria um pouco forte para este caso. 

Mais tarde, em 1999, o economista Robert Barro trouxe mais dois ingredientes a este indicador. O BMI (Barro Misery Index) adiciona à taxa de desemprego e à inflação a taxa de juros, e subtrai um componente adicional, que é  a diferença entre o Produto Interno Bruto (PIB) atual e a expectativa do PIB para o ano seguinte.

Vamos dar um exemplo; um país tem como resultado para um determinado momento:

  • Uma inflação de 10,74% (base Nov/21)
  • Um índice de desemprego de 12,60% (base Nov/21)
  • Uma taxa de juros de 9,25% (base 8/12/21)
  • Uma previsão de aumento do PIB de 0,28% 
O Barro Misery Index para este país seria:

    BMI = 10,74 + 12,60 + 9,25 - 0,28 = 32,31

Este seria o BMI do nosso país em Nov/21.

O Misery Index começou a ser aplicado a países fora dos Estados Unidos a partir dos anos 2000. Antes ele era restrito a comparações entre os diferentes governos americanos.  O economista Steve Hanke construiu a primeira Tabela Mundial do Índice do Sofrimento com base nos dados do Economic Inteligence Unit do Cato Institute. A tabela abaixo de 2013 lista o Misery Index de 89 países, citando qual o fator predominante (apenas países que tinham esses dados no Cato Institute estão na lista).

Aqui se observa que o Brasil ocupava em 2013 o 9º lugar entre os países mais sofridos do mundo, atrás apenas de Venezuela, Irã, Sérvia, Argentina, Jamaica, Egito, Espanha e África do Sul. O fator que mais contribuiu para chegarmos a essa posição foi a Taxa de Juros. Entre os quatro fatores que compõem o Misery Index, os que mais contribuíram para o Índice de Sofrimento foram:
  • Desemprego: 48 - observem a presença da Espanha em 7º lugar
  • Taxa de Juros: 37 - aí se inclui o Brasil
  • Inflação: 3 - A Venezuela encabeça a lista por causa dela
  • Crescimento do PIB: 1 - A China se isola neste fator, que é o único que diminui o BMI.
Em 2020 o numero de países avaliados por Hanke subiu para 145 e o Brasil foi classificado em 11º lugar entre os mais sofridos:



Aqueles que se deram ao trabalho de analisar essa tabela podem observar algumas coisas interessantes:

Guiana - Além de ter sido considerada o país menos sofrido entre os 145, ela conseguiu a proeza de tornar seu índice negativo, -3,3. Acontece que a maior descoberta de petróleo em anos aconteceu por lá, e o segundo país mais pobre da América do Sul teve em 2020 um crescimento de 25,8% no seu PIB. Tivemos assim um Hanke's Annual Misery Index de:

HAMI = [Desemprego 11,8%) + Inflação (1,0%) + Juros Bancários (9,7%) 
              - Crescimento do PIB (25,8%)] = - 3,3.

O presidente chegou a instituir um novo feriado, o Dia Nacional do Petróleo, e isso mostra que o Índice de Sofrimento não estava preparado para uma mudança deste tamanho nos seus indicadores. Parabéns à Guiana e votos de que a "maldição do petróleo" não chegue por lá.

Taiwan: A segunda colocada teve o resultado também enfatizado pelo bom crescimento do PIB (2,6%), mas todos os indicadores foram bons:

HAMI = [Desemprego 3,8%) + Inflação (0,1%) + Juros Bancários (2,5%) 
              - Crescimento do PIB (2,6%)] = 3,8

Qatar: O terceiro colocado teve problemas com a queda do PIB mas se segurou com a inflação negativa e os outros dois indicadores muito bons

HAMI = [Desemprego 0,5%) + Inflação (-2,6%) + Juros Bancários (2,8%) 
              - Crescimento do PIB (-4,6%)] = 5,3

Venezuela: A vizinha da Guiana é outra que desafia os indicadores. Uma inflação de 3.713% arrebenta com qualquer índice. Os péssimos desemprego, juros bancários e PIB somem diante desse número impressionante:

HAMI = [Desemprego 50,3%) + Inflação (3.713,2%) + Juros Bancários (33,1%) 
              - Crescimento do PIB (-30,9%)] = 3.827,6

Seria bom o Lula (pela esquerda) e o Bolsonaro (pela direita) olharem esses números.

Zimbabue: É outro país com inflação galopante, e já foi pior sob o reinado de Robert Mugabe, em que os preços dobravam a cada 24 horas. O presidente atual Emmerson Mnangagwa não fica muito atrás e os resultados o colocam como o "second best" em Índice de Sofrimento:

HAMI = [Desemprego 4,9%) + Inflação (495,0%) + Juros Bancários (35,0%) 
              - Crescimento do PIB (-12,1%)] = 547,0

Minha Conclusão:

O chamado Índice de Sofrimento / Misery Index é a melhor ferramenta para se traçar um Raio X das oportunidades, ou a falta delas, que uma sociedade disponibiliza aos seus cidadãos. Em um planeta onde a desigualdade cresce a ponto de tornar a maior economia do mundo desigual, o PIB per Capita não quer dizer muita coisa. 

Segundo o IBGE, a renda mensal dos que fazem parte do 1% mais rico da população é em média de R$ 15.816. Já o rendimento mensal dos 50% mais pobres é de R$ 453, certa de 35 vezes menor. Já tratamos do Coeficiente de Gini neste Blog, e ele pega esse dado e nos joga no 79º lugar no mundo em termos de desigualdade (de um total de 189 países)
.
A vantagem que vejo do Índice de Sofrimento sobre o coeficiente de Gini é que ele pega os 4 ingredientes que fazem a sociedade sofrer e faz uma conexão imediata com a sua (in)satisfação, enquanto o Coeficiente de Gini mostra a desigualdade sem mostrar os fatores que levam a ela.

Uma pessoa muita chegada a nós, que frequenta a nossa casa, todo mês tem um enorme problema: pagar os R$ 750 do aluguel da sua casa no dia 22. Perguntei a ela se o aluguel era caro e ela respondeu que sim, muito caro; então eu perguntei se ela sabia quando pagava por dia de aluguel e ela disse não saber. Quando eu lhe disse que eram R$ 25 ela tomou um susto, achou barato. O mesmo aconteceu com as taxas de luz e água. 

É incrível como aqui em casa eu pago exatamente 5 vezes mais pela Internet, o telefone fixo (que nem uso mais) e a TV a cabo, que pela água que consumo (minha chácara não tem serviço de esgoto, uso fossa). Usei esse argumento para mostrar a essa pessoa que as palavras Prioridade e Planejamento são importantes para termos um dia a dia menos sofrido. Consegui fazer com que ela defina quais a suas maiores Prioridades, e como se Planejar para conseguir cumpri-las.

Essa pessoa pertente ao enorme grupo que o nosso Posto Ipiranga batizou de invisíveis (O Auxílio Emergencial revelou que 46 milhões de brasileiros não existem aos olhos do governo; a maioria não tem conta em banco, nem acesso regular à Internet, nem CPF ativo). Ela hoje tem uma conta no PicPay (carteira digital com >60 milhões de clientes), sai daqui após realizar seu serviço sem dinheiro no bolso e pelo seu celular faz as compras necessárias no supermercado. Mas ela:
  1. não tem carteira assinada, nem ela nem o marido, vivem de bicos,
  2. sofre com a inflação que é muito maior que a oficial para pessoas de sua classe,
  3. não tem no seu horizonte a menor possibilidade de recorrer a um empréstimo bancário para comprar os seus supérfluos, e tem que recorrer à armadilha da compra parcelada.
  4. não tem a menor esperança de que 2022 vai ser melhor que 2021.
É isso que o Índice de Sofrimento escancara. a inflação, o desemprego, os juros e o crescimento medíocre do PIB não dão a esses brasileiros a esperança de um futuro melhor.

Comentários

  1. Respostas
    1. Grato caro de Assis, você talvez seja junto com a minha esposa o mais antigo leitor desses rascunhos.

      Excluir
  2. Gostei do artigo. Obrigado ! Uma boa levantada de bola, fez-me pensar. Um bom índice é aquele que, medido periodicamente, é um bom medidor da efetividade de políticas públicas. Seria este indicador de sofrimento um bom indicador? Não seria ele "financeiro" demais ? Vem-me esta pergunta por ver que, segundo este indicador estamos no fundo do poço. Por outro lado, apenas para dar um exemplo, consultando o Happiness Index , vejo que o Brasil aparece entre os 40 melhores. Acho que nem tão lá nem tão cá. O melhor mesmo seria se o Governo elegesse
    três-cinco indicadores para acompanhar suas medições anuais e, assim, botar matéria mais estratégica e palpável na mesa de nossos políticos e redes sociais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo Unknown por opção
      Como disse em reposta ao comentário abaixo do seu, sofrimento não é exatamente resultante da desigualdade. Mas para mim é certo que ambos são efeito da gestão da economia.
      Como bem disse James Carville, estrategista da campanha de Bill Clinton, "it's the economy, stupid". Ou seja com a economia nos trilhos certamente vão diminuir a desigualdade e o sofrimento.
      Já a felicidade a meu ver tem um componente subjetivo, ou ela não existiria naqueles que se impingem sofrimento para demonstrar sua adoração e essa ou aquela divindade.
      O brasileiro fez de suas carências, num processo talvez herdado das nossas raízes escravocratas, em alegria. Nosso cancioneiro está cheio de exemplos:
      "a porta do barraco era sem trinco, mas a lua furando nosso zinco, salpicava de estrelas nosso chão".

      Excluir
  3. Mais uma vez agradeço o conteúdo que Vc nos oferece.

    Achei muito interessante mas desconfio de um índice de sofrimento que não leva em conta a distribuição da riqueza.

    Não me aprofundei no assunto nem vou dedicar muito tempo ao assunto.

    Me perguntei o que aconteceria se dividíssimos o índice de sofrimento pelo de Gini.

    Minha primeira impressão é de que estaríamos dividindo bananas por laranjas, mas me parece claro que não podemos desconsiderar a distribuição da renda já que até a Venezuela deve ter uma parcela zero sofrimento em sua população.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coro Horácio
      Vejamos o caso da Espanha em 2013, mais sofrida que o Brasil. Ela tinha um imenso índice de desemprego, isso em um país europeu, e é claro que a desigualdade por lá devia bem menor que a nossa.
      Acho que o sofrimento tem uma diferença sutil com a desigualdade. A Guiana, ao ver seu PIB crescer 28% em um ano, ter a sociedade invadida por uma onda de otimismo a ponto de instituir um feriado nacional, deve ter mantido a desigualdade praticamente igual, mas deu a esperança de um mundo melhor no futuro

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Polarização e Pandemia

Lourival Sant'Anna é um colunista do Estadão que nunca deixo de acompanhar. Seu site  http://www.lourivalsantanna.com/  dá uma ideia da experiência que esse jornalista tem na cobertura dos grandes eventos mundiais.  Na sua coluna de 26/04 ele tece considerações a respeito da oportunidade que estamos perdendo de aproveitar a crise pela qual estamos passando, a Pandemia do Coronavirus, para lamber nossas feridas e unir a orientação dos nossos conceitos no sentido de melhorar nossa condição como sociedade.  A coluna citada tem o mesmo nome desse Post: Polarização e Pandemia. então eu tomei a liberdade de solicitar no seu site autorização para usar o mesmo título e também discorrer sobre o que ele defende.  Até o dia em que postei esse Artigo ainda não tinha tido retorno, então vamos em frente. Lourival começa citando o historiador australiano Geoffrey Blainey, que conseguiu traçar um paralelo entre otimismo/guerra e pessimismo/negociação. Ou seja, um país se aventura em numa gue

Sobre a Cloroquina

Vamos começar pela Fosfoetalonamina, e espero que se lembrem dela. Se não vamos refrescar a memória. Estamos falando da "pílula do câncer" que foi distribuída gratuitamente por 20 anos pelo Professor Gilberto Orivaldo Chierice, na época chefe do Instituto de Química de São Carlos (USP).  O Instituto proibiu em 2014 a produção e distribuição da droga, seguindo uma regulamentação da Anvisa. O caso foi parar no STF, que julgou em favor de uma pessoa que solicitou judicialmente o consumo da droga. O TJ-SP teve então que liberar a droga para cerca de 800 pacientes, e a USP passou a receber 50 pedidos com liminares por dia. Em 2016 o então Deputado Jair Bolsonaro apresentou, junto com vários colegas, projeto a favor da liberação do remédio. O Deputado Médico Luiz Henrique Mandetta fez oposição ao projeto, afirmando que "a ciência não é dever dos que não são da área", e que a droga "não serve nem como placebo". A Fosfoetanolamina foi aprovada no Congresso e s

Revisitando o Capitalismo

Em Janeiro de 2013 tive acesso ao livro “As Seis Lições” do austríaco Ludwig von Mises. Esse grande homem, uma espécie de Marx da direita, foi convidado pela Universidade de Buenos Aires para dar um curso de economia em 1958, após a queda de Perón. A finalidade era insuflar na juventude argentina ideias novas após o período de sombras por que passou a nação vizinha. Sua esposa compilou esse curso nas seis lições que vieram a compor o livro. Nessa época fiz alguns Posts sobre as tais lições. A lição 1 era sobre o Capitalismo, a lição 2 sobre o Socialismo, e assim por diante. Seria interessante a leitura deste Post da época: https://ceticocampinas.blogspot.com/2013/01/licao-numero-um-o-capitalismo.html Nele você vai ficar sabendo que:      - O termo CAPITALISMO, pasmem, foi cunhado por ninguém menos que Karl Marx. Ele não existia antes do seu maior inimigo criá-lo, e nenhum simpatizante teria dado uma designação mais apropriada: Capitalismo  é a acumulação de capital feita por pessoas q