Pular para o conteúdo principal

Por uma Terceira Via - 4

As coisas não estão fáceis à primeira vista. O Macaco Simão chega a dizer que o IPCA, acumulado em 10,06% em 2.021, se assume como o melhor candidato da Terceira Via, ultrapassando Moro, Ciro, Dória, etc. 

Mas ainda é cedo para se jogar a toalha. Temos que acreditar que o Brasil merece algo menos ruim que os dois que encabeçam as intenções de voto nas pesquisas. Por isso hoje vamos começar dando um olhada num dado importante: a segunda opção de voto dos brasileiros. O Instituto Quaest, fez um levantamento interessante. A pergunta era: qual seria a sua segunda opção de candidato. 

A coisa está tão polarizada que o eleitor de Lula não indica Bolsonaro como segunda opção, e vice versa. Os mais citados foram:

Segunda Opção

  • Ciro Gomes - 18%
  • Sérgio Moro - 14%
  • Lula - 8%
  • João Dória - 6%
  • Bolsonaro - 6% 
  • Simone Tebet - 4%
  • Rodrigo Pacheco - 2%
  • Felipe d'Ávila - 1%
  • Branco / Nulo - 33%
  • Indecisos - 9%
Este resultado era mais que esperado, por vários motivos. Primeiro vamos ver qual a primeira opção em outro instituto, o Ipespe:

Primeira Opção
  • Lula - 44%
  • Bolsonaro - 24%
  • Sérgio Moro - 9%
  • Ciro Gomes - 7%
  • João Dória - 2%
  • Simone Tebet - 1%
  • Rodrigo Pacheco - 1%
  • Felipe d'Ávila - 1%
  • Branco / Nulo - 6% 
  • Indecisos - 7%
Vamos inicialmente supor que Lula não possa se candidatar, hipótese provável se lembrarmos que ele não foi inocentado pelos crimes pelos quais responde. Nesse caso é válido pensar que uma parcela significativa de seus leitores se volte para o Ciro, e ele se torne a maior segunda opção. Segundo a Quaest, se isso acontecesse 28% dos Eleitores de Lula votariam em Ciro, que passaria a ter os 7% que já tem mais 28% dos 44% atuais de Lula, ou 7% + 44%x28% = 19%. Ou seja, sem Lula, Ciro seria um forte adversário de Bolsonaro, já que é de se esperar que, dos eleitores lulistas que não votariam em Ciro, ninguém irá votar em Bolsonaro..

Mas isso dificilmente vai acontecer, o que significa que Ciro dificilmente vai crescer tendo Lula como seu adversário principal. Logo o cenário atual, talvez infelizmente, torna inviável o progresso da candidatura de Ciro. Para se viabilizar ele terá que convencer o eleitor a deixar de votar em Lula para votar nele. Ainda segundo a Quaest o eleitor de Ciro é o que mais facilmente escolhe um segundo nome, só 16% dos seus eleitores votariam em branco. 

Doria é o segundo candidato que tem as menores taxas de voto em branco se ele deixar de ser candidato. Isso significa que na verdade os eleitores não acreditam que Ciro e Doria se viabilizem e estão preparados para encolher um segundo nome.

Vejamos o que aconteceria se Bolsonaro desistisse de concorrer à reeleição. Nesse caso Moro teria 24% dos votos dos atuais eleitores de Bolsonaro, ou 24% x 24% = 6%, que somados aos seus atuais 9% dariam a ele 15% dos votos, número ainda muito distante dos 44% atuais de Lula, mas mais que suficiente para levá-lo ao segundo turno (se Lula não levar no primeiro turno).

Diz também a pesquisa que 22% dos eleitores de Moro têm Bolsonaro como segunda opção. Isso se explica porque eleitores de Moro querem derrotar o PT, mesmo que para isso sejam forçados a votar em Bolsonaro.

Agora a boa notícia: 26% dos eleitores não gostariam de votar em Lula nem em Bolsonaro. Isso mostra de forma clara que ainda existe espaço para um nome da Terceira Via, mas está chegando a hora dos gatos pingados deixarem a vaidade de lado e desistirem de uma candidatura que só serve para colocar em seu currículo o fato de ter sido candidato a Presidente do Brasil.

O que leva o eleitor a votar em Chico ou Francisco é a crença de que ele vai resolver os problemas importantes que o afligem, e a economia hoje se apresenta como o mais importante. Nessa área Lula leva uma vantagem sobre Bolsonaro de 48% x 20%. Já dizia a campanha de Clinton que "é a economia, estúpido," o assunto a ser atacado para se vencer uma eleição. 

Segundo João Dòria, (https://www.gazetadopovo.com.br/eleicoes/2022/joao-doria-terceira-via-unificacao-junho-moro-tebet-entrevista-excusiva/?ref=link-interno-materia), existe uma  convergência entre ele, Moro e Simone Tebet para que aconteça uma unificação de suas candidaturas, que deve ocorrer em junho. São três candidatos que se unidos trazem esperança por terem características que existem individualmente em apenas um deles:
  • Acho Simone Tebet a menos preparada dos três no quesito economia, mas em sendo mulher ela pode carrear um eleitorado imenso, superior a 50%, para uma proposta séria dessa aliança.
  • João Doria a meu ver nesse campo é de longe o mais preparado. O PIB do estado cresceu 0,4% em 2020 enquanto o do Brasil foi de -4,1%. A projeção para 2021 para o PIB de SP dá um mínimo de 5,6% e um máximo de 6,4%. Já a projeção PIB brasileiro é de 1,8%. Ele tem como defeitos o fato de ser paulista e ter uma facilidade enorme de criar desafetos.
  • Moro é odiado como traidor de um lado e como juiz venal do outro lado dessa sociedade polarizada, mas entendo que, dessa trinca, na situação em que se encontra hoje nas pesquisas, não é o ideal mas é o que temos agora. 
E vamos continuar acreditando

Comentários

  1. Boas considerações. Vamos aguardar.
    Hoje, o Ciro parece ser quem tem maiores chances de unificar o País. Mas essa unificação seria provavelmente efêmera e já no segundo ano poderia estar sendo votado um processo de impeachment no Congresso.

    ResponderExcluir
  2. O discurso do Ciro Gomes no lançamento de sua pré candidatura no PDT , evento de ontem , considero histórico e muito claro no que defende e propõe. Quem for contra que encontre os argumentos para contrapor a visão do Ciro e do PDT. Mas antes, escute e veja o discurso completo. Não creio que ganhar a eleição seja o principal ante a urgência de discutir e encontrar caminhos. Em seguida recomendo a comemoração do centenário de Leonel Brizola com Lupi e Ciro e apresentada por Juliana Brizola e irmão. Emocionante e cheio de informações valiosas sobre a história do período. Sou a favor de uma campanha limpa e fiel aos princípios atualizados do trabalhismo que estas propostas sejam respeitadas ao menos porque vão ser o futuro deste país se Deus quiser.

    ResponderExcluir
  3. No momento, posso informar que a ideologia dos candidatos não me convenceu. As noticias veiculadas não me permitem ter o tirocinio para definir meu voto ainda. Vou dar tempo ao tempo, mas não nego que está dificil tomar uma decisão em qual candidato cravar o voto na urna eletrônica. Continuo céptico sobre esse tema da 3ª via.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Moura
      Estou impressionado com a minha incapacidade de transmitir o que entendo como prioridade exclusiva da forma como devemos tratar essas eleições: EVITAR QUE LULA VOLTE E QUE BOLSONARO CONTINUE. Só isso. Não vamos ter o prazer de votar com a cabeça, muito monos com o coração. Pena, mas é o que precisamos entender, a não ser que sejamos Lulistas ou Bolsonaristas.

      Excluir
  4. Caro Mestre, realmente o tema é multifacetado, gerando mesmo dificuldade de tomada de decisão. O que mais tem me intrigado é que, por enquanto, a 3ª via ainda é um sonho distante, também por falta de opções de bons candidatos.

    ResponderExcluir
  5. Vamos continuar acreditando e torcendo!
    Gosto das suas reflexões!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acreditar sempre, mas com algum cepticismo. Tenho a impressão de que cada candidato viável a cumprir o papel da 3ª via, não conseguirá ultrapassar o limiar dos 10% dos votos pelo Brasil afora. Posso estar enganado...A ver.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Polarização e Pandemia

Lourival Sant'Anna é um colunista do Estadão que nunca deixo de acompanhar. Seu site  http://www.lourivalsantanna.com/  dá uma ideia da experiência que esse jornalista tem na cobertura dos grandes eventos mundiais.  Na sua coluna de 26/04 ele tece considerações a respeito da oportunidade que estamos perdendo de aproveitar a crise pela qual estamos passando, a Pandemia do Coronavirus, para lamber nossas feridas e unir a orientação dos nossos conceitos no sentido de melhorar nossa condição como sociedade.  A coluna citada tem o mesmo nome desse Post: Polarização e Pandemia. então eu tomei a liberdade de solicitar no seu site autorização para usar o mesmo título e também discorrer sobre o que ele defende.  Até o dia em que postei esse Artigo ainda não tinha tido retorno, então vamos em frente. Lourival começa citando o historiador australiano Geoffrey Blainey, que conseguiu traçar um paralelo entre otimismo/guerra e pessimismo/negociação. Ou seja, um país se aventura em numa gue

Sobre a Cloroquina

Vamos começar pela Fosfoetalonamina, e espero que se lembrem dela. Se não vamos refrescar a memória. Estamos falando da "pílula do câncer" que foi distribuída gratuitamente por 20 anos pelo Professor Gilberto Orivaldo Chierice, na época chefe do Instituto de Química de São Carlos (USP).  O Instituto proibiu em 2014 a produção e distribuição da droga, seguindo uma regulamentação da Anvisa. O caso foi parar no STF, que julgou em favor de uma pessoa que solicitou judicialmente o consumo da droga. O TJ-SP teve então que liberar a droga para cerca de 800 pacientes, e a USP passou a receber 50 pedidos com liminares por dia. Em 2016 o então Deputado Jair Bolsonaro apresentou, junto com vários colegas, projeto a favor da liberação do remédio. O Deputado Médico Luiz Henrique Mandetta fez oposição ao projeto, afirmando que "a ciência não é dever dos que não são da área", e que a droga "não serve nem como placebo". A Fosfoetanolamina foi aprovada no Congresso e s

Revisitando o Capitalismo

Em Janeiro de 2013 tive acesso ao livro “As Seis Lições” do austríaco Ludwig von Mises. Esse grande homem, uma espécie de Marx da direita, foi convidado pela Universidade de Buenos Aires para dar um curso de economia em 1958, após a queda de Perón. A finalidade era insuflar na juventude argentina ideias novas após o período de sombras por que passou a nação vizinha. Sua esposa compilou esse curso nas seis lições que vieram a compor o livro. Nessa época fiz alguns Posts sobre as tais lições. A lição 1 era sobre o Capitalismo, a lição 2 sobre o Socialismo, e assim por diante. Seria interessante a leitura deste Post da época: https://ceticocampinas.blogspot.com/2013/01/licao-numero-um-o-capitalismo.html Nele você vai ficar sabendo que:      - O termo CAPITALISMO, pasmem, foi cunhado por ninguém menos que Karl Marx. Ele não existia antes do seu maior inimigo criá-lo, e nenhum simpatizante teria dado uma designação mais apropriada: Capitalismo  é a acumulação de capital feita por pessoas q